Cinco dicas para aplicar inteligência na precificação

Publicado em 23.09.2014 no veículo Portal TI Especialistas.

Precifica

A Precificação Inteligente chega como um conceito novo no mercado brasileiro e visa contribuir para o crescimento do comércio eletrônico que caminha a passos largos e faturou R$ 24,12 bilhões em 2012, segundo dados da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).

Cinco dicas para aplicar inteligência na precificaçãoMas, afinal, o que é isso? O lojista captura e acompanha em tempo real as informações dos produtos dele e dos concorrentes e, a partir daí, toma decisões de forma automática, alterando os preços dinamicamente através de critérios pré-definidos, baseados nas ações da concorrência.
E, para iniciar as atuações nessa tecnologia, apresento cinco dicas de como aplicar inteligência na precificação:

Exclusividade de estoque – Configure ações de aumento de preço de acordo com a indisponibilidade de estoque das lojas concorrentes. Se eles ficam sem estoque, é possível lucrar mais sendo a única loja virtual a oferecer o produto.
Preços muito abaixo da concorrência – Configure ações de aumento de preço de acordo com o aumento de preços da concorrência. Existem situações onde o preço de um determinado produto varia em torno de 5% nas lojas concorrentes e o seu preço está mais de 20% abaixo da concorrência.
Monitore os diferenciais – Frete grátis, descontos em boleto ou débito automático, entre outros, são alguns diferenciais para atrair o consumidor. Fique atento a como a concorrência trabalha com isso. É possível precificar inteligentemente, ou até mesmo, equiparar os benefícios apresentados pela concorrência.
Integre com o Google Adwords – Outra dica interessante é monitorar os preços e estoques, e fazer a integração direta com as campanhas de Google. Quando um produto estiver indisponível na concorrência, aumente a verba para ganhar mais destaque, ou quando estiver em falta na sua loja, retire a verba para não desperdiçar.
Olho nos canais diversificados – Fique atento aos e-mails marketing, buscadores, e outros canais de venda que seus concorrentes possam vir a utilizar.

Ricardo Ramos

Artigo também publicado no Portal E-Commerce Brasil
Artigo também publicado no Portal E-commerce News