5 lições de 2015 que o e-commerce deve trazer para 2016

O comércio virtual brasileiro superou qualquer expectativa em 2015. As previsões eram positivas, mas os resultados foram ainda melhores. Tudo isso em meio a uma crise e queda nas vendas de vários setores. A previsão para 2016 é ainda mais otimista, com diversas consultorias colocando o País no top 5 do e-commerce mundial nesse ano. Segundo estudo da T-Index, já em 2014 o mercado nacional estava em sétimo lugar, com 3% de participação, abaixo apenas de gigantes como Estados Unidos, China e Japão. Para aproveitar ainda mais essa maré de otimismo, veja cinco lições de 2015 para aplicar em 2016.

Mobile

O investimento na venda feita por meio de celulares e tablets deixa de ser uma tendência para se tornar uma obrigação. A estrutura do site deve estar pronta para conseguir suprir as demandas desse tipo de cliente, que cresce a cada dia. Tudo isso é assinalado principalmente pela presença massiva dos smartphones na vida de grande parte da população brasileira. Segundo dados de pesquisas realizadas pelo IBOPE em parceria com a Nielsen, são 68 milhões de usuários de internet no celular. O número supera até mesmo a quantidade de computadores no país, o que serve de alerta para quem ainda não preparou suporte para esse tipo específico de compra.

Black Friday

Se há algo a ser aprendido em 2016 é justamente apostar na Black Friday. A data pode ter sido subestimada por muita gente, mas não vai passar despercebida no próximo ano. A lição serve tanto para lojas e marcas quanto para clientes que ingressam no mundo do e-commerce. A expectativa do consumidor por descontos surpreendentes o estimula a aguardar para comprar um produto muito desejado na data. Para os empreendedores, os investimentos em estratégias para a época são quase obrigatórios. Deve haver empenho e estratégia para oferecer as melhores condições para a compra e entrega dos produtos, visto o retumbante o sucesso das edições passadas, especialmente a de 2015. Com o crescimento da reputação do grande evento do e-commerce mundial, espera-se que o sucesso se repita em 2016.

Redes sociais

A integração das lojas virtuais com as redes sociais se tornou um dos fatores mais importantes de contato com o cliente. As redes são os principais meios que possibilitam canais de diálogo aberto, oferecendo tanto conteúdo relacionado aos produtos quanto produzindo informações que são úteis ao estilo de vida dos clientes. Também é importante ressaltar que as redes sociais se tornaram vias diretas para a solução de problemas, e essa medida é essencial para promover a boa reputação da marca. É importante transmitir uma boa imagem aos compradores, que se sentem valorizados quando ocorre o contato com a página da marca. Tudo isso melhora ainda com estratégias que alinham a divulgação online, os compartilhamentos e até mesmo o buzz que é sentido com conteúdo de qualidade.

Experiência do usuário

Esse fator envolve diversos aspectos da construção do site. É preciso que o cliente se sinta feliz ao navegar pela loja e também consiga estar acolhido pelas características do endereço virtual. Tudo isso resulta em uma experiência positiva, gerando até mesmo a recomendação da marca para amigos, colegas e familiares. A começar pelo atendimento, a loja precisa facilitar também a escolha, a busca pelo produto desejado, as categorias e a visualização dos elementos dispostos na página. A forma de pagamento é uma parte importante de todo esse ciclo. Quanto mais rápido e simples for o processo de conclusão do pagamento, mais chance de fidelizar esse usuário e conquistá-lo como cliente.

Frete

Um dos fatores mais importantes para que o consumidor concretize sua compra é o momento de consultar as meios para a entrega de seu pedido. No Brasil, quando comparado com outros países, esse serviço ainda é caro e não muito eficiente. Essa pode ser uma excelente aposta de investimento para 2016, garantindo um sistema que tenha mais eficiência, rapidez e preços competitivos. O mercado nacional ainda não dispõe de uma boa rede de transportadoras que consiga fazer as entregas de forma tão rápida e com custos atraentes. Tudo isso envolve várias questões, mas um bom investimento em logística resulta em melhorias que vão se refletir diretamente no negócio. É o caso da diminuição dos erros na entrega e até mesmo no tempo gasto para o produto chegar às mãos dos consumidores.