Black Friday 2015 tem mais acertos e menos reclamações

Black Friday

Entre às 19h do dia 26 e 0h do dia 28 de novembro, período que englobou a Black Friday de 2015, o Procon de São Paulo, órgão de fiscalização dos direitos do consumidor, registrou 1.184 atendimentos de clientes que reclamavam, principalmente, da maquiagem nos descontos praticados pelos e-commerces. O número pode parecer alto, mas é 12,7% menor do que o registrado em 2014. Este dado é um indício de que, aos poucos, os lojistas virtuais brasileiros estão aprendendo a lidar com a data e aproveitar os benefícios que ela oferece

Por mais que as reclamações de propaganda enganosa ainda liderem as queixas dos usuários, observa-se uma gradual diminuição na insatisfação dos consumidores. Isso ocorre, sobretudo, pela adoção de boas práticas de gestão por parte dos lojistas, principalmente em relação ao preço – item primordial para a estratégia comercial do varejo. O surgimento de ferramentas que monitoram estes valores, tanto para o lojista quanto para o consumidor, explica em partes esta mudança de pensamento.

Este ano a Precifica realizou um levantamento com os principais players do mercado para identificar a prática de descontos nas categorias eletrodomésticos e informática. Os resultados são animadores: a cada quatro produtos de eletrodomésticos, um teve o preço reduzido para a Black Friday. O índice é ainda maior em informática, em que 30,5% dos itens tiveram valores abaixo do registrado uma semana antes. Os maiores descontos ficaram na faixa entre 30% e 50%, com 12% dos artigos de eletrodomésticos e 18,1% em informática. Confira a tabela:

Dentre os dez produtos com maior oscilação na comparação entre 20 de novembro, uma sexta-feira anterior à data e no próprio dia, a média de desconto foi de 48,6%. A maior variação foi de uma adega climatizada para 12 garrafas, que custava R$ 1.223,98 e foi comercializada por R$ 393,29. Além disso, um cooktop de quatro bocas, que saía por R$ 647,08, foi vendido por R$ 283,70.

Evidentemente ainda há muito espaço para melhorar e crescer. A instabilidade dos sites, principalmente no momento de acessar a página e concluir a compra, incomoda os usuários. Entretanto, quando o assunto é desconto, não dá para negar que existem promoções reais e com preços bem abaixo do mercado. Agora, os lojistas precisam trabalhar para que isso seja a regra, e não apenas uma exceção.

Quando era novidade, faltava conhecimento e experiência para os empresários virtuais brasileiros aproveitarem a Black Friday. Com cinco anos de experimentos e inovações, chegou a hora de consolidar e aproveitar cada vez mais dos benefícios que estão ao alcance de consumidores e varejistas.

* Ricardo Ramos (Ricardo.ramos@precifica.com.br) é CEO da Precifica, primeira empresa do Brasil especializada em Precificação Inteligente – www.precifica.com.br