Cuidado na hora de aplicar descontos

Cuidado na hora de dar descontos

Enquanto o varejo físico vive uma situação ruim no Brasil, com os piores índices de crescimento na última década, o e-commerce nacional encara uma situação antagônica: o setor deve crescer 26% em 2015 e faturar R$ 49,8 bilhões, segundo previsão da ABComm (Associação Brasileira de Comércio Eletrônico). Entretanto, nem mesmo a expectativa otimista deixa as lojas virtuais imunes à instabilidade econômica, levando os segmentos a desenvolver táticas para continuar com boas receitas.

A principal ferramenta para isso é a aplicação de descontos em seus produtos para atrair consumidores e se destacar dos concorrentes. A prática não é novidade no varejo, mas necessita de cuidado e planejamento por parte do lojista, seja online ou off-line. Uma simples alteração inadequada no valor de um item pode custar a margem de lucro da companhia, comprometer a operação e levar a um círculo vicioso, com perda de investimento e competitividade perante o mercado.

Um levantamento sobre “movimentação de preços” realizado pela Precifica com cinco categorias do varejo online entre 28 de julho e 3 de agosto, mostra que três delas fizeram pouca alteração  de preços promocionais e mantiveram a margem de lucro. A categoria “Pets” teve uma alta nos valores, com 0,25% durante a análise. Já “Celulares” e “Cosméticos” praticamente ficaram estabilizados, com ligeiras quedas de 0,04% e 0,03%.

Em contrapartida, dois segmentos reduziram o preço além da média registrada. “Eletrodomésticos/eletroportáteis” realizaram promoções e derrubaram os preços em 0,80%. A categoria “Eletrônicos” teve uma queda ainda mais brusca, com preços 1,39% menores. A pesquisa analisou 26.367 produtos em trinta e-commerces brasileiros. A média de oscilação de preços no período foi uma queda de 0,40%, e o maior desconto registrado em um único produto foi de 26,73%.

Os dados reforçam a necessidade dos varejistas virtuais aplicarem a precificação dinâmica em seu portfólio, já que aumentar ou diminuir o valor do produto pode impactar diretamente na sobrevivência do negócio. Oferecer promoções não se limita em apenas reduzir preços tornando-os mais baratos aos consumidores. Na verdade, envolve um planejamento estratégico que deve levar em conta a margem de lucro do negócio, o estoque, o preço praticado pelos concorrentes, entre outros fatores.

Mas, uma coisa é fato: o consumidor adora descontos: 64% dos brasileiros compram produto em promoção habitualmente, segundo o Instituto Data Popular. Porém, sem as ferramentas adequadas e muita análise, a tática corre o risco de não funcionar e ainda afetar a própria loja virtual. No fim, mais do que aumentar as vendas, o que interessa mesmo é o aumento da rentabilidade em um cenário de crise econômica.
*Luiz Pereira (luiz.pereira@precifica.com.br) é COO da Precifica, primeira empresa do Brasil especializada em precificação inteligente