Monitoramento inteligente na Indústria identifica pontos de colisão com a concorrência

Monitoramento inteligente na Indústria identifica pontos de colisão com a concorrência

Preço sugerido é o valor com o qual todo produto industrializado chega aos canais, calculado pelo fabricante e baseado em diversos fatores, como mão de obra, matéria prima, consumo de energia, tributação, taxa de câmbio e outros custos, além das margens de lucro. Há, também, a influência de fatores externos, como o próprio mercado, de acordo com demanda ou concorrência.

A concorrência é um elemento que exerce grande impacto. Um produto top de linha concorre diretamente com seu similar de outra marca, assim como um item de segunda linha ou um modelo de entrada batem de
frente com seus equivalentes dos outros fabricantes. Entretanto, o timing do mercado altera a categoria de um produto a cada lançamento e, consequentemente, sua participação na cadeia da precificação.

Por exemplo, um fabricante de tênis lança um modelo esportivo top de linha por R$ 600, tendo em vista que o produto equivalente do concorrente direto ocupa a mesma faixa de preço. Seis meses depois, um novo modelo é lançado e o anterior tem seu preço reduzido para R$ 400, também próximo à faixa secundária similar.

Porém, se o timing de mercado do concorrente é diferenciado, com um lançamento de produtos a cada quatro meses, suas variáveis da precificação aumentam. Com diferentes cronogramas, os produtos mudam de categorias e faixas de preço com mais frequência, e a concorrência direta fica ainda mais complexa. Para solucionar esta equação, é importante mapear o mercado e identificar pontos de colisão de preços com a concorrência.

Todo fabricante sabe quais são os seus concorrentes e realiza um mapeamento dos produtos que competem com os seus, porém, com o passar do tempo, outros itens anteriormente não mapeados começam a concorrer diretamente devido à depreciação do valor e entram na mesma faixa de preço. Um exemplo disso é a escolha de tablets aos invés de computadores, que mesmo tendo funções distintas, tornam-se competitivos entre si quando a questão é preço.

Por isso a importância do monitoramento inteligente, que além de possibilitar uma nova análise de concorrência, que mesmo indireta, identifica fortes pontos de colisão, permite visualizar o histórico de preços praticados pelas lojas e distribuidores, e se os valores mínimos e máximos sugeridos e recomendados estão sendo respeitados. Assim é possível tanto acompanhar as tendências de preço quanto fundamentar as novas projeções.

Uma ferramenta de Monitoramento inteligente também aproxima a relação do fabricante com o distribuidor, auxiliando na análise de sua performance através da visão de venda de cada produto e adequando assim o “mix” para potencializar a comercialização da linha completa. Outro ponto é o ganho de agilidade na reposição do estoque do canal, antecipando-se à sua demanda!

Mais uma  vantagem da automatização do processo é a economia de tempo e mão de obra. Atualmente, os fabricantes contam com vários profissionais que trabalham focados no monitoramento contínuo do seu portfólio de produtos, e que no entanto poderiam ser realocados em outras áreas ou aproveitados em novas funções  mais voltadas à inteligência do negócio.

Em resumo, o monitoramento inteligente é tão importante para a Indústria quanto para o distribuidor e o revendedor já que, com informações precisas, é possível mudar estratégias de lançamento, de preços e, até mesmo, de marketing, visando sempre o aumento das margens de lucro.

*Ricardo Ramos é CEO da Precifica, a primeira plataforma brasileira de Precificação Inteligente – www.precifica.com.br, e diretor de Métricas e Monitoramento da Associação Brasileira de Comércio Eletrônico (ABComm).