E-commerce continua em expansão mesmo com a crise financeira

Crescimento do E-commerce

Enquanto diferentes segmentos da indústria e do varejo físico estão se retraindo diante do instável cenário econômico brasileiro, o e-commerce continua se expandindo e seus números seguem nas casas das cifras bilionárias.

Em um ano repleto de desafios para o mercado e o varejo de um modo geral, as projeções feitas pela empresa E-Bit no começo do ano foram de um crescimento de 20% do comércio eletrônico em 2015, podendo atingir o montante de R$ 43 bilhões em transações.

Mesmo que o crescimento do segmento seja um pouco mais lento e moderado, ainda assim há um aumento notável nas vendas eletrônicas em comparação aos R$ 35,8 bilhões movimentados durante todo o ano de 2014.

A ABComm apresentou projeções ainda mais otimistas para 2015: um aumento de 26% em relação ao ano passado, que poderá movimentar cerca de R$ 49,8 bilhões, de acordo com a declaração do presidente da associação E-Commerce News, em janeiro deste ano. Em escala global, a gigante do e-commerce Amazon encerrou o primeiro trimestre do ano com alta de 15% em suas vendas líquidas.

Nadando contra a corrente

Ainda sem perspectivas concretas sobre o controle da inflação e das altas taxas de juros que continuam reduzindo o poder de compra de todas as camadas sociais no Brasil, o consumidor segue cortando gastos, enxugando o orçamento e comprando com muita cautela.

Esse é o impulso que mantém o e-commerce em crescimento: a internet vai atrair um número cada vez maior de pessoas que buscam melhores ofertas, preços, promoções e condições de pagamento, com mais vantagens na hora de adquirir bens e produtos diversos.

Além disso, o aumento dos usuários de tablets e smartphones estão impulsionando o mobile commerce no Brasil e no mundo. Foi o que revelou o levantamento State of Mobile Commerce Q1 2015. Pela primeira vez no histórico do estudo, Japão e Coreia do Sul atingiram mais de 50% de transações efetuadas via mobile no primeiro trimestre de 2015. Enquanto isso, os Estados Unidos tiveram um aumento de 10% na preferência por dispositivos móveis para realização de compras pela internet.

Os resultados e projeções para o cenário mobile nacional também são animadores em 2015: só no primeiro trimestre, 14% de todas as transações efetuadas no e-commerce brasileiro foram feitas por dispositivos móveis, e estima-se que esse número alcance os 22% até o final deste ano.

Essa reunião de fatores típicos e atípicos está impulsionando o varejo online no Brasil e no mundo, e dando um importante respaldo para os empreendedores em um momento tão delicado e incerto.