Precifica entrevista Pedro Eugênio Toledo, CEO da LeadMedia e criador do Black Friday no Brasil, para falar sobre os preparativos e expectativas, além de dar dicas para aproveitar ao máximo o evento

Pedro de ToledoCom um faturamento de R$ 217 milhões em 2012, o Black Friday, que acontece em 29 de novembro, já se tornou a principal data para o e-commerce nacional. Com a proximidade da data, a Precifica entrevista Pedro Eugênio Toledo, CEO da LeadMedia e criador do Black Friday no Brasil, para falar sobre os preparativos e expectativas, além de dar dicas para aproveitar ao máximo a ocasião. O executivo afirma que a grande sacada é atrair o consumidor para uma primeira venda, a fim de enriquecer o banco de dados, promover relacionamento e fidelizá-lo. Confira:

Há uma política de preço estabelecida no BlackFriday? O lojista pode alterar o valor do desconto nessa data, tanto para cima quanto para baixo?

Quem define a política de preços é o próprio varejista, depende somente dele conceder ou não os descontos ao consumidor final. Se a loja não puder fazer isso por problemas operacionais, de negociação ou de margem de lucro, a gente recomenda não participar do Black Friday. Só participam lojas que de fato se planejaram e conseguem oferecer um desconto para o consumidor, que pode variar entre 10% e 50%, dependendo da categoria.

Como determinar um preço certo para ser competitivo?

Quando se fala em precificação de produtos, observamos que o consumidor está muito antenado em relação aos preços, acompanha continuamente o produto que tem interesse e chega a tirar print screen das telas com os valores atuais. Cada loja tem sua estratégia de precificação, mas o que sugerimos é a transparência. Não adianta aumentar o preço hoje para reduzir no Black Friday amanhã, pois não irá enganar o consumidor.

O que fazer para estar bem posicionado diante de tanta concorrência?

O Black Friday é uma grande oportunidade para o varejista porque, diferente dos outros dias, o cliente é quem procura a loja nesta data, por isso o custo de mídia é muito menor do que nos dias tradicionais. O e-commerce deve aproveitar a economia com mídia e as negociações com os fabricantes para trazer produtos mais baratos, e utilizar plataformas, como a da Precifica, para entender preços dos concorrentes e oferecer um preço mais competitivo ao consumidor final. Nessa data, o que ele procura é um valor vantajoso, e se e está em uma loja legal, na qual confia, e com bom preço, a tendência de comprar é muito grande.

No ano passado, o Black Friday sofreu algumas críticas justamente em relação à maquiagem de preços. Como está sendo prevista a questão da veracidade do desconto, para garantir que os lojistas ofereçam produtos realmente vantajosos?

A edição de 2012 foi um sucesso pela quantidade de vendas, bem superior à quantidade de reclamações. No entanto, para coibir esse problema, lançamos em parceria com a Câmara-e.net (Câmara Brasileira de Comércio Eletrônico), no dia 7 de novembro, o Selo Black Friday, para as lojas que assinarem um código de ética garantindo descontos reais e se comprometendo a não fazer a maquiagem de preços.

Qual a estimativa de vendas para esse dia?

Ainda não fechamos os números, mas esperamos um crescimento expressivo, devido à própria procura do consumidor e ao número de lojas participantes. Só para se ter uma ideia, tivemos um faturamento de R$ 100 milhões em 2011 e de R$ 217 milhões em 2012. A expectativa é superar esse valor em 2013.

Quais dicas você pode dar aos lojistas para que aproveitem a data de forma plena?

A grande sacada do Black Friday não é ficar milionário. É utilizar a tecnologia para realizar uma primeira venda ao consumidor final, criar uma base de dados de consumidores maior e, o mais importante, com essa base consolidada, realizar uma campanha para recuperar esse público para o Natal. Tem lojas que tiveram recompra de até 60%. Ou seja, a cada dez pessoas que compraram no Black Friday, seis voltaram para comprar para as festas de final de ano. Essa data é importante para atrair o consumidor à loja e, depois, manter o relacionamento para que ele retorne em próximas ocasiões.