Precificação dinâmica: da feira ao e-commerce

Alterar preços dinamicamente é mais recorrente do que se imagina. No mercado global, por exemplo, a resposta mais lembrada para os varejistas é que não há limites para as mudanças, de acordo com levantamento do RIS (Retail Info System) Custom Research, no início de 2014. A precificação inteligente transformou-se em ferramenta importante para quem quer atrair clientes, aumentar vendas e gerar lucro. Com esta solução, o varejista mantém preços competitivos a qualquer hora do dia.

Porém, o tema ainda suscita dúvidas no e-commerce nacional. Muitos pensam que a precificação dinâmica não passa de uma técnica para aplicar descontos e vender produtos mais baratos. Outros imaginam que aumentar o valor dos produtos pode ser um problema, pois afastaria clientes. Isso tudo é mito, a realidade é que ambas as ações fazem parte de uma estratégia de negócio, que deve ser muito bem pensada para alcançar bons resultados. Na realidade, a precificação faz parte do cenário brasileiro há muito tempo. Veja duas situações corriqueiras que comprovam a presença do conceito no comércio nacional:

Cena 1 – Na feira

Dois feirantes disputam, literalmente no grito, a preferência dos consumidores. A feira se aproxima do fim e, para não ficar com estoque excedente para o próximo dia, um deles resolve aplicar descontos e muda seu preço. Então, o segundo feirante, que está de olho no concorrente, percebe a tática e também resolve diminuir seu valor, justamente para evitar prejuízo com depreciação de estoque.

Cena 2 – No e-commerce

O dono de uma loja virtual também precisa monitorar os concorrentes em tempo real e em tempo integral. A qualquer momento, de dia ou de noite, pode surgir uma boa oportunidade de negócio. Quando uma loja virtual possui um item que está em falta nos demais varejistas, ela pode elevar o preço por conta da exclusividade. Algumas horas (ou alguns dias depois) percebe que o produto em questão está disponível novamente e então a loja retorna o item ao valor original.

Ambos utilizaram a precificação dinâmica. O primeiro, claro, para aplicar descontos, pensando em evitar prejuízos. O segundo, para aumentar a rentabilidade. Mas tanto na feira quanto no comércio eletrônico os envolvidos vislumbraram oportunidades de bons negócios através da alteração de preços (seja com o intuito de se desfazer do estoque excedente ou de obter uma margem de lucro maior).

Com mudanças inteligentes, o varejista consegue criar momentos positivos para as vendas. Aproveitá-los é a chance de se destacar em um mercado cada vez mais exigente e difícil. Portanto, em vez de ser a última alternativa, essa estratégia precisa ser parte integrante na gestão da empresa!