Táticas de precificação e análise de mercado para driblar a crise e vender na Páscoa

easter-egg

A atual crise econômica no Brasil está modificando a relação dos consumidores com  produtos básicos e também com itens sazonais, como é o caso dos ovos de Páscoa. Além de pesquisar e delimitar parte do orçamento para a compra dos chocolates, o consumidor espera encontrar alternativas menos onerosas para a data.

O que poderia ser uma temporada ruim para os fabricantes, na verdade, tornou-se um exercício de análise de mercado e de estratégias de precificação para suprir as necessidades do público sem deixar de vender.

 

Alteração de produtos oferecidos no mercado

Houve notável elevação nos custos da produção dos ovos de Páscoa: desde o aumento do dólar, atrelado aos brinquedos e brindes provenientes da China, até o reajuste nos preços de matérias-primas, como o cacau, que também é importado.

Essa é uma realidade para os fabricantes e, neste ano, os ovos chegarão às prateleiras, em média, 10% mais caros em relação aos de mesmo tamanho comercializados em 2015. No entanto, as grandes empresas, atentas à faixa de preço real que os consumidores estão dispostos a gastar, lançaram mão de inovações em seus catálogos.

A Lacta, por exemplo, disponibilizou mini ovos recheados, de 95 g, na versão do clássico Sonho de Valsa, com sugestão de preço de R$ 8,99. A opção abaixo dos R$ 10 pode suprir principalmente a demanda do público que pretende presentear mais de uma pessoa.

Seguindo a mesma tendência, a Garoto e a Nestlé lançaram alguns de seus clássicos ovos com formato diferenciado e tamanho reduzido. Enquanto a empresa brasileira apresenta uma versão de 50 g do Batom em formato de um coelho, a gigante suíça oferece os famosos Galak e Alpino nas versões de coelho de chocolate de 90 g.

 

Mantendo o fluxo de vendas com produtos variados

Diante desse cenário, as fabricantes e detentoras das principais marcas encontraram alternativas para manter seus produtos em circulação sem a necessidade de substituí-los. Porém, esse tipo de planejamento só é possível graças à captação de dados e estatísticas provenientes do próprio segmento.

No e-commerce, mesmo que nem sempre o varejista tenha autonomia para alterar as características de um item, é muito importante que ele mantenha uma rotina apurada de análise de mercado, além de uma visão clara sobre a formação do preço dos produtos.

A mesma estratégia dos grandes produtores de ovos de Páscoa é eficiente quando uma loja virtual, atenta ao comportamento de seu público, consegue gerenciar seu mix de produtos para oferecer o que os consumidores mais procuram, garantindo um fluxo de vendas que respeite os tickets médios e garanta lucros nas vendas efetuadas.